quarta-feira, 24 de agosto de 2011

Sodade...







Agora bateu sodadi,
Sodadi das mai mió,
Sodadi das qui num dói
Nem tem gostu de jiló.
Nem tum poco matadera,
Daquelas qui da bobera,
Das lágrima vira suó.

Essa agora é da bunita,
É sodadi da gostosa.
Daquela qui imbriaga
Iguá a cheru di rosa.
Sodadi sim, di Rosinha,
Di Fátima, di Marinha,
Di todas, a mai dengosa...

Sodadi lá da fazenda,
Du meu jumentu increquêru,
Da professorinha linda
E du seu irmão fulêru.
Sodadi qui dá vontadi
Di vortar aquela idadi
I revê meu perdiguêru.

Sodadi du Padi Bentu...
Quandu eu era sacritão
Tirava da caixa, ismola,
E ia compra pião.
A Virgi mi perduava
Pru mode queu num robava,
Lhi pidia pirmição.

Sodadi du meu Padim
Leotéru do hoté.
Da voz da minha madrinha
Lhi chamandu: Coroné!
Du gostu du pão-di-ló,
Qui nunca vi mais mió,
Qui fazia a Izabé.

Sodadi du Livramentu,
Vitoria de Sto Antão.
Sodadi, êita sodadi...
Sodadi da istação.
Dos bigu feitu com graça
Quandu a maria fumaça
Partia lá pru sertão.

Sodadi dus meus parceru
Di fêra, di vaquejada.
Sodadi, êita sodadi
Das noiti iluarada.
Dos forró di pé di serra
Ondi a festa só si incerra
Cum a manhã quilariada.

Sodadi, êita sodadi...
Qui lembraça mai bunita.
Sodadi quandu é assim
É iguá laçu di fita.
Infeita um coração,
Dá vida, dá emução
E u coração parpita.

Purissu ficu filiz
Quandu sintu essa sodadi.
Qué coisa da mai bunita
Sitimentu di verdadi.
Eu rezu a Virgi Maria
Todu dia, Todu dia,
Pur essa capaciadi.

Di orguiu eu mi enchu
E assim prestu um tributu,
Agradicidu a meu Deus
Qui mi deu essi atributu.
Pur tudim, muitu obrigadu,
Muitu mai pur tê dexadu
Eu tê nacidu um matutu.

Valdir Oliveira
©Direitos reservados

Nenhum comentário:

Postar um comentário